Jornalistas & Cia - Imprensa Automotiva
 
 
 
 
 
 
 
 
 
São Paulo,

 

OTÁVIO FRIAS FILHO
Solta o verbo e fala da Folha, de Lula, do jornalismo do futuro, de seus planos pessoais
E revela, entre outras coisas, que:
* Folha terá novo projeto gráfico no início de 2006
* Faturamento publicitário de outubro foi o maior da história do jornal
* Dívida do Grupo será liquidada em até dois anos e os investimentos vão voltar

Otávio Frias Filho, 48 anos completados em junho passado, praticamente 20 deles no comando editorial da Folha de S.Paulo, o maior e mais polêmico jornal do País, continua o mesmo cidadão inquieto de sempre, que instiga mudança, aposta na controvérsia, não se contenta com o melhor (quer mais), desconfia do poder e adora cinema, teatro, literatura e, claro (para surpresa de muitos que conhecem apenas a versão folclórica), o jornalismo. Sob seu comando estão 430 jornalistas, que trabalham nos vários veículos do Grupo. Comedido, ar tímido, raciocínio límpido e cristalino, pontos de vistas instigantes, continua a ter o pai, Octavio Frias de Oliveira, como uma das principais referências de vida. Pontualmente, às 17 horas do dia 3 de novembro, num elegante terno preto listrado, barba por fazer, ele recebeu, no 3º andar do prédio do Grupo Folha, na Alameda Barão de Limeira, nos Campos Elísios, a equipe de Jornalistas&Cia para uma conversa franca e aberta, que marca a estréia de PROTAGONISTAS da Imprensa Brasileira. Numa entrevista de quase duas horas e meia, falou dos resultados e de seus planos para o jornal, analisou as tendências e desafios do jornalismo face a multiplicidade de novos meios, principalmente digitais, sobre jovens, blogs, jornais gratuitos e personalizados, sobre sua função à frente da Folha, pai e mãe, sucessão, ombudsman, governo Lula, inquietações pessoais, opção política. E mais não disse porque mais não lhe foi perguntado. A seguir, os principais trechos da entrevista. Boa leitura!

Entrevista concedida a Eduardo Ribeiro e Wilson Baroncelli, com participação especial de Antonio Alberto Prado.



Entrevista com Otávio Frias Filho

Protagonistas: Como está sendo o ano de 2005 para a Folha de S.Paulo? E como você vê o cenário para 2006?
Otávio Frias: O ano tem sido razoavelmente bom porque marca a interrupção de um processo de queda de circulação nos principais jornais, iniciado em 2000. Do ponto de vista publicitário tem sido também um ano positivo. Outubro, por exemplo, bateu todos os recordes e foi o melhor mês em termos nominais da história do jornal. Também tem sido um ano interessante por conta da crise política, pois ela funciona como um ingrediente de aquecimento na cobertura jornalística em geral. E do ponto de vista das discussões a respeito do futuro do jornalismo, tem sido um ano também fecundo. Estamos num amplo debate interno a respeito de como enfrentar esses desafios e também nos preparando para uma nova reformulação gráfica no começo do ano que vem (a última ocorreu entre 1999 e 2000). Em relação a 2006, vamos ter, portanto, um jornal com muitas novidades e também um ano com dois eventos de grande relevância para os chamados consumidores de informação: eleições e Copa do Mundo.
P: Alguma coisa que dê para antecipar?
OF: Queremos dar maior maleabilidade e diversidade ao padrão gráfico da Folha. Deliberadamente, o nosso padrão gráfico, desde os anos 90, é rígido e nós estamos interessados, agora, em imprimir maior diversidade à feição plástica dos cadernos e na paginação. Estamos também interessados em valorizar o espaço de interpretação, de opinião e de análise. Há um certo consenso de que o jornalismo de qualidade deve cada vez mais reforçar esses aspectos, buscando o aprofundamento da notícia, o contexto interpretativo. E em relação à notícia, ao hard news, que continua e continuará sendo a espinha dorsal do jornal, pretendemos encontrar formatos gráficos que permitam explorar cada vez mais histórias próprias, exclusivas, deixando num plano mais secundário as notícias mais comuns, compartilhada por todos os veículos e que também já saíram na televisão e na internet. E queremos ainda modernizar a parte tipográfica e cromática da apresentação do jornal, para dar a ele uma sensação de frescor, de rejuvenescimento.
P: Quem está coordenando esse processo?
OF: A atual reforma está sendo feita por uma equipe da própria Folha, com consultoria do designer cubano Mário Garcia, radicado nos Estados Unidos. Mas 70% do projeto está sendo concebido pelo editor de Arte da Folha, Massimo Gentile, e a equipe dele, com monitoramento do Melchíades Filho, editor de Esportes. Nas reformas anteriores, recorremos a consultorias de designers brasileiros, caso, por exemplo, de Eliane Stephan, excelente designer e artista plástica no Rio de Janeiro, que foi a principal responsável pela fisionomia da Folha nos anos 90. A última reforma, feita em 1999/2000, teve a participação de Vicenzo Scarpellini, outro excelente artista gráfico, de nacionalidade italiana, que mora em São Paulo e desenha até hoje na Folha, às quartas-feiras.
P: Você falou do cenário em relação à Folha de S. Paulo. E em relação a todo o Grupo Folha, que inclui UOL, Agora, Data Folha, Valor Econômico, Publifolha, o cenário é mais ou menos parecido?
OF: Sim, porque os grupos de mídia no Brasil, como se sabe, têm sido obrigados, nessa década, a praticar uma política muito severa de cortes de despesas, com o objetivo de abater e liquidar as dívidas contraídas na década de 90. Não podemos esquecer que a década anterior, influenciada pelas novidades tecnológicas e pela estabilização da moeda, foi um período de grande expansão da economia. Havia nos grupos empresariais de mídia a mentalidade da expansão, da diversificação, de investir em novos mercados, entrar em novas mídias. A década em curso tem marcado uma inversão completa dessa pauta. Deixou de ser prioridade ganhar mercado, partir para novos setores, e passou a ser prioridade cortar despesas, interromper investimentos, vender ativos para aliviar o pesado ônus financeiro acumulado. A posição da Folha, comparativamente aos outros grupos expressivos de mídia, é relativamente boa, porque nosso endividamento sempre foi menor do que o deles. Além disso, temos cumprido com bastante disciplina e êxito o projeto de eliminar o endividamento tão rápido quanto possível. Acredito que dentro de um ou dois anos, a dívida estará resolvida e nós retomaremos a capacidade de investir novamente no jornal.
P: A queda na circulação dos jornais, ao menos no caso brasileiro, parece ter estancado nos dois últimos anos. Estancou mas não recuperou a circulação, ao menos de forma significativa. Como você analisa esse quadro? Concorda com aqueles que dizem que as tiragens dos jornais nunca mais voltarão a ser as mesmas?
OF: Os jornais apresentaram curvas semelhantes e a diferença entre eles continua, a grosso modo, a mesma dos anos 90. Se olharmos hoje, a Folha tem uma superioridade, em termos de circulação média, da ordem de 35% sobre o concorrente local, O Estado de S.Paulo, e de 15% sobre O Globo.
P: Circulação média de 400 mil exemplares?
OF: A média mensal de circulação da Folha em setembro de 2005 foi de 313 mil exemplares. Penso que há dois vetores operando sobre qualquer perspectiva de circulação no futuro dos jornais brasileiros. Por um lado, não há dúvida de que a multiplicação dos meios de informação, o surgimento de meios que não existiam antes, a internet claro, a tevê a cabo (ainda que de certa forma marginal), o próprio celular (que não deixa de ser também uma forma de comunicação, que passou a disputar o tempo e o bolso do consumidor), tornaram o ambiente da mídia muito mais competitivo e criaram uma super-oferta de informação. Ao se transformar no que os economistas chamam de commodity, a informação - exceção à informação qualificada, que demanda pesquisa, investigação e que é focada num público intelectual mais exigente - barateou muito. É nesse cenário de hiper-oferta de informação e de profusão de novos meios, que a circulação dos jornais tem de ser analisada. Num ambiente como esse, ainda mais competitivo, me parece clara a perspectiva de redução da circulação dos jornais. Mas há um segundo vetor, em casos como o Brasil, um país de Terceiro Mundo, que é o da perspectiva real de ampliação do mercado. À medida que o Brasil se desenvolva, que consiga um ciclo mais consistente de crescimento econômico, que avance na educação básica e secundária, terá certamente novas camadas de classe média, e provavelmente de leitores de jornal. Ou seja, ao contrário dos países desenvolvidos, onde praticamente só existe o primeiro fator, pois eles já cresceram o que tinham de crescer, já educaram o que tinham de educar e têm uma classe média numerosa e expressiva, os países como o Brasil estão no meio do caminho, ampliando a alfabetização, melhorando os níveis de saúde, aumentando a expectativa de vida das pessoas. Nesse sentido, portanto, é difícil num país do Terceiro Mundo dizer qual dos dois vetores irá prevalecer ou se eles vão se anular. Já em relação ao Primeiro Mundo me parece claro que a situação dos jornais continuará declinante.
P: Você aposta no crescimento da classe média, que tem uma parcela de jovens muito grande no caso do Brasil. Jovens que optam pela internet. A Folha Online, por exemplo, já oferece um cardápio substancial e amigável que permite aos leitores até abrirem mão do jornal impresso, com a vantagem de não pagarem nada por isso. Como transformar isso em um negócio?
OF: Essa é a grande questão. Acho que está aí um resumo do que talvez seja a maior interrogação da nossa época no que diz respeito a discutir o futuro do jornalismo. Faço uma distinção: quando falo jornal eu estou me referindo ao meio que se propõe a recolher informação de caráter geral e relevante ocorrida nas últimas 24 horas, não importando o suporte em que ela será veiculada, se em papel ou eletrônico. A mudança de suporte, se ocorrer, terá implicações de natureza econômica, mas do ponto de vista jornalístico isso é quase irrelevante. Ao falar jornal eu estou me referindo a um informativo geral que se renova a cada 24 horas. Mas ninguém tem ainda uma clareza absoluta sobre o que vai acontecer nessa área.
P: Com exceção de Murdoch não é?
OF: Pois é (risos). Eu pelo menos não tenho e desconfio que, a rigor, ninguém tenha. Minha sensação é a de que a migração do papel para a tela será lenta. Demorará, talvez, uma ou duas décadas, obrigando-nos a conviver por muitos anos com os dois suportes. Do ponto de vista empresarial, essa é uma mudança muito relevante, por representar cerca de 40% dos atuais custos, que correspondem a papel, tinta e distribuição. No momento em que houver a migração para a tela, esse custo todo desaparece, o que evidentemente é uma excelente notícia. Por outro lado, a questão é saber como encontrar receitas que, mesmo com esse alívio de 40% no custo, sustentem uma máquina que continuará sendo comparativamente cara. Sim, porque fazer jornalismo de qualidade, que tenha um compromisso público e se destine a um público mais exigente, custa caro.
P: A Folha Online já tem dado resultados do ponto de vista econômico e financeiro?
OF: Sim, ela está no preto, como se diz na gíria contábil, ou seja, não dá prejuízo, mas tem um faturamento e um resultado que ainda são muito pequenos se comparados aos da Folha de S.Paulo.
P: Você acredita, no caso da Folha, que daqui a dez anos o meio impresso possa ser ultrapassado pelo meio digital, em faturamento?
OF: Eu diria que não é impossível, mas penso que seja improvável.
P: O Grupo Folha aderiu ao blog e está fazendo agora experiências com vários de seus profissionais. O jornalismo personalista está ganhando espaço? Você pretende ter um blog também?
OF: Não, não pretendo (risos). Na biodiversidade, se eu posso me expressar assim, do jornalismo latu sensu, considero interessante e positivo que novas modalidades, novas formas e novos formatos de jornalismo estejam surgindo. No entanto, sempre será uma manifestação lateral do Jornalismo, pois se a marca autoral é forte também forte é a limitação desse trabalho. Venho de uma cultura que não acredita em objetividade no Jornalismo e nas Ciências Humanas, em geral, e que, ao contrário, considera isso um mito. Mas é uma cultura que, por outro lado, preconiza a idéia de que só é possível fazer bom jornalismo quando se cumpre uma série de procedimentos técnicos. São procedimentos que nossa profissão vem criando e aperfeiçoando há décadas, para não dizer há séculos. Por isso, continuo acreditando no valor mais central do jornalismo que busca se aproximar da objetividade, embora respeite e considere legítima a contribuição dos blogs, que são sempre visões mais subjetivas, parciais, muitas vezes fortemente autorais, principalmente do ponto de vista de estilo, de idiossincrasias.
P: Não vai chegar um momento em que pode haver um conflito de interesses entre o que publicar no blog, que é um espaço pessoal, e o que publicar no jornal?
OF: A rigor não é um negócio pessoal deles, porque os blogs estão ancorados no portal UOL e na Folha Online.
P: Como se fossem colunas?
OF: Como se fossem colunas virtuais. Acho que essa é a imagem apropriada. De todo modo, criamos um mecanismo para evitar esse tipo de problema: notícias que muito possivelmente vazarão até o fechamento da edição estão, em tese, autorizadas a aparecer no blog. Notícias que, sabemos, não vazarão devem ser retidas para a publicação no jornal impresso.
P: Gostaria que você falasse sobre duas experiências que começam a surgir em outras partes do mundo: o jornal personalizado, que permite ao leitor definir o jornal que quer ler, e o jornal gratuito, que tem tirado o sono de muitas empresas.
OF: O jornal personalizado é uma outra modalidade de oferta e de consumo de informação que nós temos procurado acompanhar com atenção e interesse. Pessoalmente, acredito que possa crescer, ter um nicho de mercado, mas sem deixar de ser uma modalidade marginal. Por dois motivos: primeiro porque de certo modo os leitores não têm tempo e sabem que os jornais têm um corpo treinado de especialistas que fazem esse trabalho muito bem, certamente melhor do que ele próprio, leitor, faria. E segundo, pela lei do menor esforço, que governa toda atividade humana. Nesse sentido, embora respeite o interesse dessa eventual minoria, não acredito em grande futuro para esse tipo de jornalismo.
Em relação ao jornal gratuito, é também uma modalidade a ser acompanhada com atenção. Nesse período em que o jornalismo tem sido marcado por grandes mudanças e inovações, consideramos importante ter uma atitude despreconceituosa e aberta em relação às novidades. Procurarmos aprender com as experiências. Mas, no caso do jornal gratuito, sou cético, sobretudo num país como Brasil, que tem uma tradição diferente. Lembro-me, por exemplo, do tempo em que se discutia a diferença entre o formato standard e o formato tablóide. A imagem que se usava, nos anos 80, era de que civilizações de metrô preferiam o formato tablóide enquanto as civilizações de automóveis tinham uma inclinação pelo formato standard, o que explicaria a opção de países como o Brasil (exceto Porto Alegre) e os Estados Unidos pelos jornais standard, e lugares como Buenos Aires, Londres, Paris, Berlim etc., pelo tablóide. Como o Brasil não é uma civilização de metrô, tenho sérias dúvidas de que o nosso público, nosso mercado publicitário, sustente um jornal tablóide distribuído gratuitamente.
P: Até porque continuaria um jornal caro, sem a alternativa do virtual.
OF: Vamos pegar o nosso caso: embora os números variem em função do ano e do mês que se tomem como referência, de um modo geral 55% da receita da Folha tem origem na publicidade e o restante na circulação. Então, por mais que esses dois percentuais possam mudar em um jornal de outro tipo, pergunto se, nesse caso, haverá massa publicitária suficiente para arcar com o custo do jornal como um todo, uma vez que ele não poderá contar com receita de venda em banca e nem de assinatura.
P: Isso também não mexeria com a credibilidade e com a independência editorial do jornal?
OF: Claro que sim. No caso da Folha, para citar outro número interessante, lembro que mais de 90% dos exemplares são entregues aos assinantes. Nossa venda avulsa restringe-se a 7% ou 8% da tiragem. É um número que considero positivo porque o vínculo entre o assinante e o jornal é muito mais forte, consistente e duradouro e requer investimentos da empresa. Diferente da venda avulsa, onde esses vínculos de um modo geral não existem.
P: Esse percentual vem se mantendo?
OF: Ele é histórico. E acredito que no nosso concorrente, O Estado de S.Paulo, seja parecido. Possivelmente, entre os grandes jornais, O Globo tenha um perfil um pouco diferente, porque há uma tradição no Rio mais forte de venda em bancas. Diferentemente de São Paulo, lá as pessoas têm o hábito de caminhar pelas ruas, de ir até a esquina, de freqüentar as bancas, coisa que aqui não acontece na mesma proporção.
P: Como diretor de Redação da Folha e do Agora, como é que é o seu dia-a-dia?
OF: O meu dia-a-dia felizmente é diversificado, seja porque em jornal cada dia é diferente do outro, seja porque eu procuro não me manter preso a uma rotina. Exerço essa atividade desde 1984, e evidentemente nos anos 80, mesmo no começo dos anos 90, eu tinha uma proximidade maior com a operação diária na redação. O jornal também tem agora uma estrutura mais desenvolvida, com uma editora executiva, a Eleonora de Lucena, que se desincumbe com muita competência dessa responsabilidade, uma Secretaria de Redação que funciona muito bem. O Agora tem o seu editor, o Nílson Camargo, que é também ótimo companheiro, ótimo jornalista. (Aliás, gostaria aqui de fazer um parêntesis: o Agora é um grande êxito. É a história, como eu costumo brincar, de David contra Golias, porque com todo o respaldo que as Organizações Globo conferem ao Diário de S.Paulo, com toda a campanha milionária de lançamento, campanha de marketing, o fato é que o Agora, tendo recursos muito mais restritos, é líder no segmento popular.) Mas, fechando esse parêntesis, a minha função hoje em dia, no jornal, aproxima-se muito mais da figura de um moderador. Temos, dentro da Folha, diversas tendências, inúmeras tensões, como, aliás, em qualquer redação. E considero positivo, dentro de certos limites, que isso ocorra, até para que o jornal não se transforme numa entidade monolítica, de pensamento único. No meu papel de moderador, de orientador editorial e político do jornal, procuro realçar sempre os pontos que para nós são dogmáticos: fazer um jornalismo apartidário, que se propõe a ser crítico em relação a todas as fontes do poder, profundamente pluralista e baseado na controvérsia, na discussão, na exposição de pontos de vistas divergentes e tanto quanto possível conflitantes. Me coloco, de certo modo, como guardião desses valores. E também procuro, na medida de minhas possibilidades, contribuir para incitar o jornal à mudança. Acho que está no DNA da Folha a agilidade, a capacidade de reagir rápido e de perceber tendências emergentes na sociedade. Somos um jornal sem preconceitos, aberto em todos os sentidos, bem diferente, por exemplo, do nosso concorrente (O Estado de S.Paulo), que, embora com uma tradição muito respeitável, tem um outro tipo de DNA. A Folha sempre foi um jornal mais permeável às novidades, sobretudo às observadas na tal da psicologia dos leitores. É essa característica que tem permitido à Folha se reciclar e se reinventar, de certa maneira, a cada 10 ou 20 anos. Me policio muito também para não me ater demasiado ao período da minha juventude, quando efetivamos mudanças importantes no jornal que a todos encantaram. Procuro olhar para a frente e estimular as pessoas, em primeiro lugar, a ficarem sempre insatisfeitas com o jornal produzido; e, em segundo, a conviver com a mudança. Nas reuniões com os mais novos, sempre provoco: vocês é que precisam cuidar das mudanças, analisar o futuro, saber que tipo de jornalismo é mais interessante para um garoto de 15 anos, para uma menina de 18 anos. Lembro que cada época tem os seus problemas e eles têm de saber como resolver e superar os problemas atuais, porque uma coisa é certa: o jornalismo não vai morrer, vai continuar existindo.
P: É verdade - como muitos de nós já ouvimos falar - que você não gosta do jornalismo?
OF: Essa é uma visão folclórica, que não corresponde à realidade. É fato que sempre tive outros interesses além do jornalismo e essa é uma disposição que continuo a ter. Tenho muita predileção pelo cinema e pelo teatro, por exemplo. Aliás tenho peças de teatro publicadas e encenadas. Publiquei no ano passado um livro de ensaios, que é uma coisa um pouco excêntrica do ponto de vista do jornalismo. Cheguei a começar uma carreira universitária mas a interrompi muito cedo; nunca cheguei a dar aulas. Fiz a Faculdade de Direito e Ciências Sociais e tive de interromper quando estava para concluir o mestrado em Antropologia, em 1983. Ou seja, sempre tive interesses também fora do jornalismo. E nunca tive, propriamente - aí talvez um resíduo de verdade nessa versão que eu chamei de folclórica - uma paixão pelo jornalismo. Eu não sou um repórter nato. Pelo contrário, a rigor nunca exerci a atividade de repórter. Estou num ambiente de jornal há muito tempo. Aprendi muito com dois dos melhores professores que um jornalista, a meu ver, poderia ter na vida: meu pai (Octavio Frias de Oliveira), que felizmente continua me ensinando coisas, e o Cláudio Abramo, que não está mais entre nós e é uma figura que dispensa apresentações. Venho aqui a esse prédio regularmente desde os 17 anos, com prazer. Agora, a paixão pela notícia, essa coisa, por exemplo, que um ícone como o Clóvis Rossi tem - embora seja ele um jornalista experiente e que já viveu todas as situações -, essa espécie de entusiasmo juvenil pela notícia, pela novidade, pelo furo que os repórteres têm, isso eu nunca tive e não tenho. E isso evidentemente é um handicap, é uma das minhas vicissitudes profissionais, um dos fatores que me levam a tentar superar essa deficiência em outras áreas. Como qualquer editor ou diretor de jornal, tenho handicaps e considero que essa falta de sangue de repórter seja um deles. Procuro compensar essa deficiência, valorizando um aspecto positivo: como não tenho esse entusiasmo todo, em momentos delicados consigo o distanciamento necessário para analisar com mais serenidade os fatos e até para conter alguns eventuais arroubos precipitados ou mesmo uma animação excessiva em relação, por exemplo, à publicação de algum assunto que não esteja suficientemente checado. Mas desprezo pelo jornalismo como atividade intelectual não tenho não. E hoje em dia tenho até menos do que jamais tive, porque considero que, infelizmente, a universidade se esvaziou muito como instituição, como influência pública, como debate intelectual e político, e o jornalismo acabou ocupando parcialmente esse espaço. A universidade, é claro, continua, a meu ver, tendo uma enorme importância social e econômica nas áreas tecnológicas, científicas. Mas do ponto de vista das humanidades, houve, infelizmente, um esvaziamento brutal. Considero que o jornalismo exerce um papel intelectual e cultural quase correspondente ao da aldeia do Asterix, das histórias em quadrinhos de Goscinny e Uderzo (risos).
P: Você não acha difícil pensar-se em humanidades nas redações, diante da sobrecarga de trabalho que acometeu os jornalistas desde que a crise atingiu a mídia? A Folha tem algum projeto para recuperar esse perfil mais humano?
OF: O sacrifício existe. Na Folha, aliás, as pessoas trabalham bastante. Mas é preciso olhar o contexto e o que de fato ocorreu nos últimos anos. Tivemos um período de grande expansão nos anos 90, conforme já falei, que foi também um período, digamos assim, de vacas gordas. Com a crise, a situação se inverteu. Do ano 2000 até agora, reduzimos as equipes em cerca de 20%, talvez um pouco mais, e nossa redução de espaço editorial acompanhou esse número. Mas, se há um certo sacrifício por parte dos profissionais, também considero importante lembrar que a Folha é possivelmente o único jornal do País que concede períodos sabáticos aos seus colaboradores, proporcionais ao tempo de trabalho contínuo no jornal. Temos os correspondentes-bolsistas, que são posições muito disputadas, preenchidas por concurso interno. Além disso, o jornal concede uma série de subsídios para jornalistas que querem fazer cursos com proveito direto ou indireto para sua atividade profissional. Entre 80 a 90% dos profissionais da redação são beneficiados por algum tipo de subsídio, seja para um curso de línguas, de extensão universitária, ou outro que até aparentemente não tenha proveito para o jornal. Sabemos que por mais industrial que seja a produção jornalística, uma redação nunca deve perder a dimensão de ateliê. É muito interessante contarmos com pessoas com formações diferentes, que falem russo, por exemplo, ou que conheçam algo de chinês, de história medieval, de engenharia espacial. Quanto mais habilidades e talentos e semi-especializações pudermos congregar na equipe, tanto melhor, pois isso, evidentemente, cria um caldo de cultura, uma interação, que nos permite, como jornalistas e ainda que amadores nesses temas, desempenhar com mais propriedade e credibilidade nossa atividade.
P: Pelos comentários que você fez, seu pai, Octavio Frias de Oliveira, ainda tem uma presença forte no dia-a-dia do jornal. É isso mesmo?
OF: Os editoriais da Folha continuam sob a responsabilidade de meu pai, assim como a direção conceitual do jornal como um todo. Embora com um expediente de menos horas, compreensível pelos seus 92 anos de idade, ele vem diariamente aqui. Os grandes números da empresa, tanto da Folha quanto do UOL, aliás, ele acompanha até hoje. E a orientação mais básica do jornal, do ponto de vista político, sobretudo a expressa nos editoriais, mas não só, até hoje é feita por meu pai. Sempre muito bem humorado, muito informal, despachado, fácil de se relacionar, ele continua sendo um ícone. E caneta editoriais até hoje.
P: E dona Dagmar Frias de Oliveira, sua mãe?
OF: Minha mãe é uma leitora muito voraz e crítica dos jornais. Ela freqüentemente faz observações para mim, para meu irmão Luiz, para meu pai. É uma espécie de ombudsman informal da família. Quem participa diretamente do jornal é a Maria Cristina, minha irmã, que tem uma coluna de finanças publicada às segundas-feiras. Ela trabalhou vários anos como repórter na Globo, no SBT (com o Bóris Casoy) e recentemente atuou como comentarista no programa da Lillian Witte Fibe, na Rede 21.
P: Tempos atrás, numa palestra no Master em Jornalismo, você disse que os jornais são chatos, que quem lê a Folha não precisa ler o Estadão e vice-versa. A mesmice seria fruto de um acovardamento dos jornais?
OF: Você me dá a oportunidade de esclarecer o que falei, na palestra, porque o relato publicado não foi muito feliz. Eu disse que há pessoas para as quais os jornais são muito chatos e há pessoas para as quais os jornais são muito semelhantes. E até citei uma brincadeira que o Paulo Arantes, professor de Filosofia da USP, faz, dizendo que uma vez sua empregada teria perguntado por que ele assinava dois jornais se os dois eram a mesma coisa. Eu contei essa história dizendo que há um fundamento de verdade nela, porque muitas pessoas sentem assim. Eu gostaria, sem dúvida, que os jornais fossem mais diferentes entre si do que são. Inclusive, dentro de minhas possibilidades, aqui na Folha sempre insisto muito nisso. Somos um veículo líder e, como tal, não podemos nos acomodar. Essa mesmice que muitas vezes as pessoas percebem em termos comparativos em alguns jornais, me incomoda. Penso que ela decorre de uma certa covardia editorial, explicável porque, todos nós, como é da natureza humana, temos, em alguma medida, receio de fazer apostas, de correr riscos. Paradoxalmente, por outro lado, isso tem a ver, na minha opinião, com o próprio desenvolvimento da cultura jornalística. Eu acho às vezes fascinante que dois jornais, separados no espaço, com redações que se comunicam muito pouco - a gente sabe que há muito contato no dia-a-dia entre os repórteres, mas entre editores e secretários esse contato é raríssimo -, acabem fazendo uma avaliação hierárquica e valorativa das notícias muito semelhante. Isso, a meu ver joga água no moinho da tese de que existe sim uma jurisprudência jornalística, que permite avaliar com relativa objetividade o que é mais ou menos importante para o público leitor, o que deve ser dado com maior ou menor destaque. Feita essa ressalva, digamos quase epistemológica, é bem verdade, para relativizar essa observação, que os jornalistas são corpos profissionais oriundos geralmente do mesmo extrato social (classe média), que há muita circulação profissional entre as redações etc. Tudo isso relativiza um pouco a tese, mas ainda assim acho que ela tem uma certa vigência. Se não houvesse alguma objetividade jurisprudencial, os jornais cada dia dariam uma manchete diferente um do outro.
P: Governo Lula. A Folha morde, mas às vezes até assopra, coisa rara. Se esta fosse uma pesquisa do Data Folha, você diria que o Governo Lula é ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo?
OF: Essas avaliações, para serem conclusivas, não deveriam ser feitas assim, tão a quente. A avaliação do Governo Lula vai ficar mais nítida, mais consolidada para todos nós, daqui a alguns anos. Feita essa ressalva e, portanto, padecendo da contingência de fazer uma avaliação a quente, eu diria que é um governo ruim. Trata-se, a meu ver, de um governo que não cumpriu as promessas que fez e que não correspondeu às expectativas de mudanças que despertou no eleitorado. Virou um lugar comum dizer que esse é um governo que só fez manter e até acentuar a política anterior, uma política, aliás, que durante a campanha o candidato Lula dizia que ia mudar. É um governo que, aparentemente, também mantém um ritmo um pouco mais vegetativo das políticas sociais do governo anterior. Ou seja, não me parece inovador em nenhuma área. Até na política externa, que é mais vistosa, os resultados são no mímino controvertidos, para dizer o menos. Fora tudo isso, temos ainda toda essa rede de corrupção, que emergiu. Diante de tantos fatores, acho difícil que ele escape, pelo menos a meu juízo, da qualificação de ruim. Essa é minha visão pessoal e talvez, sem tanta ênfase assim, também a visão oficial da Folha.
P: Aquele episódio de campanha, em que o candidato Lula se retirou abruptamente de um almoço com a direção do jornal, descontente com questionamentos que você fez e que ele considerou agressivos, está superado?
OF: De minha parte aquele episódio está superado. Procuro ter uma avaliação racional e não reagir com o fígado. Entendo que o jornal é uma entidade impessoal e que não deve estar ao sabor de eventuais reações emocionais ou pessoais que eu possa vir a ter, embora eu procure não tê-las. Mas aquele episódio reforçou a idéia de que o presidente Lula não tem condições intelectuais e nem preparo técnico para desempenhar uma função pública dessa responsabilidade. Pior, é uma pessoa que reage mal quando interpelado, contestado. Passa a nítida sensação de ser uma pessoa acostumada a só ouvir sins, a ser incensada o tempo todo, e que reage com insegurança e de maneira intempestiva quando é submetida a um questionamento mais incisivo como aquele que eu procurei fazer no curso daquele almoço, até que ele o interrompesse, e saísse falando impropérios, sem se servir da sobremesa, do café etc.
Em relação à questão de que a Folha morde e assopra, nós realmente procuramos ter uma atitude crítica e apartidária. Fui, por exemplo, muito insistente, no começo do Governo Lula, para não sairmos dessa linha, a despeito da hipnose social que ocorreu em relação à figura messiânica do operário que finalmente havia chegado à Presidência. Se vocês se lembrarem, nos primeiros seis meses, doze meses do Governo Lula, exceto na Folha, era muito raro encontrar algum tipo de crítica. E fiz isso porque a Folha tinha um compromisso moral, a meu ver, de manter em relação ao Governo Lula, então recém-iniciado, a mesma posição mantida durante os oito anos de Governo Fernando Henrique; foram oito anos em que a Folha foi sem dúvida o veículo mais incômodo.
P: Muita gente, aliás, falava que a Folha era petista.
OF: Pois é. Normalmente, num ambiente tucano as pessoas dizem que a Folha é petista, e no ambiente petista, que somos tucanos. Isso é normal em um jornal que se propõe a levar uma política mais complexa, sem alinhamento automático. Um jornal com esse perfil, sempre corre o risco de ser submetido a incompreensões momentâneas, sobretudo em situações tensas, como no caso de eleições. Mas veja o seguinte: insisti, e muito, em acentuar o caráter crítico da Folha em relação ao Governo Lula, quando muito poucos faziam isso. Agora, que virou moda bater, eu tenho procurado, ao contrário, chamar o jornal à responsabilidade. Esse é um momento em que precisamos agir com a cabeça fria, com serenidade, sem abrir mão, é claro, da permanente visão crítica, da disposição de investigar, de criticar, de questionar, de cobrar o governo. Acho que um jornal que incomoda o governo presta um grande serviço ao País. Isso é uma das crenças mais arraigadas que eu tenho em termos de jornalismo. Mas é preciso que esse incomodar seja feito com critério, com qualificação, na medida do possível, com responsabilidade, dando ao governo a oportunidade de levar aos leitores o seu ponto de vista, publicando todas as contestações recebidas, como a Folha procura fazer religiosamente. Tudo isso faz parte desse compromisso público.
P: Em que pese o jornal professar imparcialidade, ser apartidário, como o cidadão Otávio se classifica politicamente? Tem alguma preferência partidária?
OF: Sinceramente, não tenho. Minha geração foi muito influenciada pela mentalidade que sempre cercou o PT e o PSDB, principalmente o PT. Eu, pessoalmente, não tenho nenhuma inclinição partidária e procuro me disciplinar no sentido de não tê-la. Sistematicamente anulo meu voto. E o faço exatamente para limitar ao máximo a possibilidade de mentalmente entrar num clima de preferência, de torcida por este ou por aquele. Considero essa uma maneira saudável de reforçar a insenção que uma pessoa na minha função à frente de um jornal com essas características deve ter.
P: Você já desenvolveu know-how para enfrentar as pressões?
OF: Acredito que sim. Com um detalhe: como a Folha se propõe a ser um jornal independente e que não faz concessões, e cultiva muito essa imagem, todas as pressões recebidas ao longo desse período em que dirijo o jornal - concorde ou não com elas - considero legítimas. São de pessoas querendo fazer o seu ponto de vista prevalecer até por entender que ele é correto. Procuro ouvir sempre. É uma das muitas lições que aprendi com meu pai: sempre ouvir quem tem algo a dizer, quem considera que tem alguma informação relevante a passar, quem acha que está sendo vítima de alguma injustiça jornalística. E, ao mesmo tempo, ter a firmeza necessária para repelir influências que pareçam nefastas, descartar pleitos que não sejam apropriados e adequados. Meu pai gosta de contar uma história, ouvida de um antigo editor de jornal americano, que dizia só haver uma maneira de dirigir um grande jornal sem pressões: num iate, no meio do oceano e sem rádio (risos).
P: Seu pai, Octavio, e a Folha tiveram a felicidade de ter em você e no seu irmão Luiz as condições necessárias para tocar o negócio e fazer o Grupo Folha crescer. Mas e o futuro? Vocês chegam a falar de transição, existe plano de profissionalização do jornal?
OF: No nosso caso, acho que tivemos alguma sorte, porque eu tenho uma série de afinidades com a atividade jornalística, sempre tive, desde a adolescência, e felizmente meu irmão se revelou um empresário muito talentoso, com muita visão, com muito senso histórico de oportunidade. E nossa relação é muito boa, até porque atuamos em áreas diferentes, que não dão margem a eventuais competições entre nós. Agora é óbvio que o mecanismo da sucessão hereditária sempre tem um elemento lotérico. A tendência histórica, portanto, é de uma crescente profissionalização na gestão dos jornais em geral e desse jornal em particular.
P: Você trabalha com algum horizonte?
OF: Não saberia arriscar, mas se dependesse de minha vontade eu gostaria que fosse no mais curto prazo possível, até porque estou aqui já há bastante tempo, exercendo funções que, embora não tenham sido necessariamente as mesmas, sempre implicaram uma responsabilidade pesada. Além disso, tenho uma certa ansiedade por desenvolver outras atividades, o que não consigo por absoluta falta de tempo. Gostaria que a profissionalização da empresa, que já está ocorrendo, viesse a se acentuar, a se acelerar nos próximos tempos.
P: A experiência do ombudsman, muito bem sucedida na Folha, não foi replicada pelos demais veículos de comunicação. De todo modo, exceção a Renata Lo Prete, todos os demais que passaram pelo cargo deixaram a empresa. Como são quadros bons, isso acaba sendo, de certo modo, um ônus. Costumam até brincar que quando você quer se livrar de alguém indica essa pessoa para o cargo (risos).
OF: Não é assim, não. É verdade que, fazendo um rápido recenseamento de memória, dos ex-ombudsman somente a Renata continua no jornal. Mas eu também gostaria de mencionar que, salvo engano, todos os ex-ombudsman deixaram a Folha em condições muito amistosas. Desentendimentos, sim, houve vários, discussões algumas, mas nunca houve uma situação de ruptura, de estranhamento, que levasse digamos a um desenlace inamistoso. Eu pessoalmente posso dizer que tenho uma relação pessoal e profissional com todos os ex-ombudsman da Folha muito boa, até hoje.
P: Ainda é muito produtivo manter um ombudsman no jornal?
OF: Sim, é excelente. E penso que outros jornais não adotaram essa prática talvez como resíduo de um preconceito de épocas antigas. A figura do ombudsman é uma garantia existencial. Quando se edita um jornal, uma das preocupações permanentes, a meu juízo, é sempre se perguntar: será que estamos cometendo alguma injustiça sem perceber, ou cometendo algum tipo de perseguição sem nos darmos conta, ou, ainda, criticando indevidamente alguém, uma entidade, uma empresa? Será que não estamos reiterando uma versão que é mentirosa, sem ter ainda percebido isso? A existência do ombudsman permite que esses questionamentos sejam feitos, e permite uma razoável segurança nas respostas. Você tem um profissional competente, experiente, qualificado, respeitado e prestigiado internamente, que se dedica o tempo inteiro a encontrar erros, falhas, apontar problemas, apontar algum viés, alguma injustiça, ouvir pessoas que se consideram injustiçadas pelo noticiário, trazer esse ponto de vista, publicar a opinião dele aos domingos contra o próprio jornal. Isso é muito bom. É uma garantia para todos. Com ele, passamos a ter mais um super ego, não o único. Acredito ser muito útil, em jornais, a adoção de um sistema inspirado, mal comparando, no sistema constitucional americano dos freios e contrapesos, com diferentes instâncias controlando e vigiando. Num jornal, de certo modo editores controlam repórteres, repórteres controlam editores, o Conselho Editorial também é um elemento de vigilância e o ombudsman completa essa estrutura. Costumo dizer que se eu e minha equipe não ficarmos irritados com freqüência com o que o ombudsman escreve, tem alguma coisa errada com o jornal ou com o ombudsman. Felizmente continuamos nos contrariando com freqüência (risos). Isso, evidentemente, sem nenhum juízo de valor em relação ao trabalho do Beraba (Marcelo Beraba, atual ombudsman). Posso ter divergências no varejo - tenho várias até -, mas no atacado ele é um excelente ombudsman e tem prestado uma contribuição importante ao desenvolvimento da Folha e ao aperfeiçoamento do jornal.
P: Quando você se referiu ao DNA da Folha, que a faz um jornal inquieto, inovador, ousado, crítico etc, dá para perceber, pelo teor dessa entrevista e mesmo por suas atitudes e convicções, que esse é o DNA do próprio Otávio Frias Filho? A Folha será a mesma depois de você?
OF: Difícil prever. Mas não atribuo, digamos, sem falsa modéstia, um papel tão preponderante à minha atuação. Isso faz parte um pouco da cultura geral do jornal da qual eu e várias pessoas que estão aqui proviemos. E penso que isso se adensou ao longo do tempo com a prática de ser um jornal que respeita a controvérsia, que sempre publica pontos de vistas contrastantes, contestações. Acredito que o Painel do Leitor da Folha, embora muito criticado por isso, seja uma das seções de cartas de jornais do mundo que mais publica ataques ao próprio jornal. Nós achamos bom, estimulamos isso. A própria experiência de lidar com ombudsman já está próxima de completar 20 anos. Esse longo aprendizado acabou contribuindo para essa cultura de participação, de crítica interna, de debates, de confrontação de pontos de vistas divergentes. Como disse antes, acho isso enriquecedor. E acredito que esse espírito de certo modo tenha deitado raízes suficientes na Folha para sobreviver à presença das pessoas que têm feito o jornal até hoje.
P: Vamos a um rápido ping-pong?
OF: Ok.
P: Uma matéria inesquecível.
OF: São tantas que eu vou pular essa para não cometer injustiças.
P: Um autor.
OF: Cito um pouco de coração dois autores: Dostoiévski e Freud.
P: Um medo.
OF: É um pouco notório o medo que tenho de avião. Até já escrevi sobre isso.
P: Mas você já fez até paraquedismo...
OF: Pois é (risos). Eu já saltei de paraquedas, mas ainda assim fica valendo a versão oficial de que tenho medo de avião.
P: Um ídolo.
OF: Não tenho ídolos, mas se for para citar um eu citaria meu pai.
P: Um sonho.
OF: Morar em outro lugar que não São Paulo, por algum tempo.
P: Um livro.
OF: Para continuar com Dostoiévski, Os Irmãos Karamázov.
P: Um esporte.
OF: Não sou aficcionado de nenhum esporte, mas gosto de caminhar.
P: Uma peça de teatro.
OF: Vestido de Noiva, de Nélson Rodrigues.
P: Um jornalista.
OF: Cláudio Abramo.

Na entrevista que concedeu a PROTAGONISTAS da Imprensa Brasileira, Otávio Frias Filho ainda falou sobre os seguintes temas:

Formato berliner
“Temos acompanhado com muito interesse essa experiência do formato compacto (ou berliner, como é chamado), que é intermediário entre o standard e o tablóide. Há países como a Inglaterra fazendo essa experiência e achamos interessante. Estamos acompanhando e analisando a reação do público e também a reação da circulação. Mas, ao que tudo indica, os jornais brasileiros estão receosos com relação a uma mudança nesse sentido, até porque isso poderia implicar a troca do parque gráfico. O atual maquinário, pelo que sabemos, permitiria apenas rodar jornais no formato tablóide, “tout court”, metade de uma folha standard, mas não no formato berliner.”

Abertura de capital do UOL
“Embora eu acompanhe a operação do UOL de maneira mais lateral, pois é o meu irmão (Luís Frias) o responsável pela operação, posso assegurar que está tudo muito bem encaminhado. O UOL está se preparando para fazer uma oferta pública de ações e isso deve ocorrer entre o final deste ano e o começo do ano que vem, conforme a própria imprensa chegou a noticiar; o Valor Econômico publicou uma reportagem completa e detalhada sobre o assunto. O UOL tem uma posição confortável, é o maior portal de internet da América Latina, desfruta de uma liderança sólida no Brasil, mas enfrenta concorrentes de peso, ligados a grupos multinacionais e com estruturas poderosas. A idéia, portanto, é que com essa oferta pública de ações e com os recursos obtidos a empresa possa investir, de modo a manter o bom desempenho concorrencial pelos próximos anos. (...) Há muitos grupos internacionais com interesse no UOL, mas a recíproca não é verdadeira. Eu diria que não existe nenhuma perspectiva concreta de associação do UOL com algum grupo internacional e muito menos de venda. (...) Eu não conheço os detalhes do processo da oferta pública de ações, não sei quais são as fatias que vão ser oferecidas exatamente, mas não existe a possibilidade de o controle deixar de ficar em mãos da família Frias. Aliás, é assim que tem sido ultimamente. A própria Portugal Telecom é uma sócia importante, mas é uma sócia minoritária e não tem papel no controle real, operacional do UOL.”

Crescimento e corte
Essa tem sido uma década de retração, sobretudo no setor de mídia, porque o objetivo das empresas mudou 180º. Elas passaram a suspender investimentos, a cortar despesas, tudo para melhorar os resultados e com isso pagar os tais juros exorbitantes. O objetivo era claramente tentar liquidar os passivos financeiros. É difícil, portanto, entender o que está acontecendo com a mídia em geral, e no jornalismo em particular, pelo menos no Brasil, nesses últimos anos, sem ter em mente essa mudança completa de estratégia por parte das empresas. Deixou de ser prioridade ganhar mercado, partir para novos setores, e passou a ser prioridade, ao contrário, cortar despesas, interromper investimentos, vender ativos de modo a desonerar esse pesado ônus financeiro acumulado.

Razões para a queda de circulação
“Chegamos a atingir índices muito altos de circulação em meados dos anos 90, ultrapassando a marca recorde de um milhão de exemplares num determinado período de 1995. A grande explosão que houve nessa época foi resultado da política de promoções adotadas pelos jornais brasileiros. Você distribuía enciclopédias, atlas, dicionários. Esses produtos eram vendidos a preços muito acessíveis, desde que a compra fosse vinculada a dos jornais. Essa política foi responsável por uma elevação muito forte da circulação dos principais jornais brasileiros, liderados pela Folha, em meados dos anos 90. Quando ela se esgotou, a circulação decresceu, de tal forma que a curva de circulação dos principais jornais brasileiros, naquele período, apresenta o formato de um sino, com o topo situado ali entre 1994/96. A partir dali houve um esvaziamento da política de promoções, a circulação começou a decair e desde o ano 2000, com a crise financeira, os jornais deixaram de investir em marketing, em propaganda, “tiraram o pé do acelerador”, como se diz na gíria, cortaram os departamentos de marketing, de assinatura, de telemarketing. Ou seja, com a crise, por conta da necessidade de cortar despesas, os jornais perderam capacidade de agredir o mercado. (...) Nos países mais desenvolvidos, nos Estados Unidos e na Europa, a tendência de perda de circulação dos jornais parece clara. Aliás, essa é uma tendência não da última década, mas que vem desde a década de 60 e, ao que eu saiba, ainda não se estabilizou. Ainda há poucos dias li no Los Angeles Times que os jornais americanos perderam, de 1960 para cá, quatro milhões de exemplares, sobre um total de 55 milhões. O detalhe é que nesse mesmo período a população americana cresceu cerca de 60%.”

A rede de jornais Bom dia, no Interior de São Paulo
“Embora eu esteja ciente da iniciativa de lançamento de jornais no Interior, não conheço detalhes do projeto e por isso não estou em condições de avaliar. A nossa experiência com edições regionais começou em 1991. Embora o Interior de São Paulo tenha cidades muito ricas, prósperas, com classe média expressiva, com perfil econômico, industrial e até tecnológico muito moderno, nossa experiência foi muito difícil. O projeto, se não me falha a memória, envolvia seis edições regionais. Era realmente ambicioso. Mas ao longo da década de 90 percebemos que o projeto foi superestimado e não tinha como se sustentar. Inicialmente, reduzimos equipe e espaço editorial, mas já no final da década, quando a crise financeira recomendava cortes de despesas mais intensos nas empresas jornalísticas, fomos obrigados a extinguir os cadernos regionais. Ficou para nós a lição de que quem vai para o mercado no Interior paulista para fazer jornal acreditando na pujança da região, está certo em relação à pujança, mas corre riscos em relação ao êxito das operações.”

A perda de importância da universidade
“Nessas áreas (tecnológicas, científicas), ela continua sendo tão ou mais importante do que há 20 ou 30 anos. Mas do ponto de vista das humanidades, houve, infelizmente, um esvaziamento brutal. Vivemos numa época muito pragmática, utilitária, tecnológica, voltada para o ganho material, para o sucesso e para carreira. E essas dimensões mais humanísticas, imbricadas no ensino de humanidades na universidade e numa reflexão humana mais transcendental, na literatura, no teatro e mesmo no cinema, essas dimensões infelizmente se empobreceram de maneira enorme. O que continua intacto, a meu ver, como influência social, na área das humanidades? A História, que conseguiu se manter viva, importante, legítima e prestigiada como disciplina acadêmica e como atividade intelectual, escapando da erosão que devastou as ciências sociais, a ciência política e a própria psicanálise; e o jornalismo que nas últimas duas ou três décadas, a meu ver, só fez ganhar influência pública, intervenção intelectual, tendo ainda a capacidade de atrair para seus quadros muitos dos valores que estavam na universidade.”

Sobre Lula
Como ser humano eu não o conheço a ponto de emitir um juízo. Como governante eu desconfio muito dele, até porque eu desconfio de todo e qualquer governante. Acho que é uma atitude saudável em qualquer cidadão, sobretudo num jornalista, manter uma atitude de ceticismo, de desconfiança, em relação ao que qualquer governante diz e faz.

Vida política e profissional vs. vida pessoal
“Do ponto de vista de vida pessoal, eu a separo quase que completamente de aspectos políticos ou questões profissionais. Minha vida pessoal é regida por outros fatores. Deve realmente ficar como um compartimento estanque em relação à minha vida profissional e em relação à eventual repercussão política que minha atuação profissional tenha.”

 
 
 


 
Publicidade


Copyright© 2004 - Jornalistas & Cia | Todos os Direitos Reservados -
All Rights Reserved